O que eu preciso saber sobre a enxaqueca?

By

A enxaqueca é um dos tipos de cefaleia (dor de cabeça). A enxaqueca se caracteriza por uma dor pulsátil em um dos lados da cabeça (às vezes dos dois), geralmente acompanhada de fotofobia e fonofobia, náusea e vômito. A duração da crise varia de quatro a 72 horas, podendo ser mais curta em crianças. Saiba tudo sobre a enxaqueca nessa matéria!

 

Quem tem enxaqueca?

Segundo o Ministério da Saúde, de 5 a 25% das mulheres e 2 a 10% dos homens tem enxaqueca. A enxaqueca é predominante em pessoas com idades entre 25 e 45 anos!

 

Enxaqueca não é nada normal!

Diferentemente do que muitos acreditam, viver com o problema não é comum ou normal. E pior, tentar administrar o dia-a-dia com a enxaqueca pode ser prejudicial à saúde. Ou seja, não tente relevar os sintomas ou medicar-se por conta própria, indiscriminadamente. Fica a dica: a partir do momento em que o paciente começa a tomar mais de dois analgésicos por semana, ele já deve procurar ajuda médica.

 

Evitar a enxaqueca é a melhor arma

É importante que a pessoa que tem enxaqueca esteja ciente de que precisa manter um horário regular para comer, dormir, trabalhar, fazer exercícios para ajudar a prevenir ataques de enxaqueca e, assim, ter um menor impacto negativo na sua vida social. Igualmente, importante é buscar diagnóstico correto, acompanhamento e tratamento com um neurologista.

 

O diagnóstico é feito minunciosamente

O diagnóstico correto da enxaqueca requer uma história minuciosa da dor do paciente e um exame neurológico criterioso, portanto procure um médico que possa dispor de bastante tempo para a primeira consulta. E não se esqueça: Durante a consulta médica, é muito importante estabelecer uma conversa honesta e aberta com o médico, pois algumas características que, aparentemente, não estão relacionadas com a dor, podem ajudar no diagnóstico.

 

O que o paciente pode fazer para ajudar no diagnóstico?

O paciente com enxaqueca pode ajudar a descrever com detalhes o que sente; informar o médico sobre possíveis efeitos colaterais provocados pelos medicamentos; e observar quais comportamentos estão relacionados aos sintomas da doença.

Leave a Comment

Your email address will not be published.

You may also like